Sobre

Em tempos onde as sombras parecem ser os faróis que opacam o nosso dia a dia, é necessário encontrar a luz dentro de nós para conseguirmos iluminar o nosso caminho e podermos seguir em frente. Labaq levou isto à letra. Com o seu novo trabalho “Lux” (Voa Music, 2019), um álbum que traz uma reviravolta estética ao seu som, mas que também funciona como um manifesto artístico-político e a reivindicação de que cada um pode ser o seu próprio farol.

Três anos depois do seu primeiro disco “Voa” (Voa Music, 2016), um exercício que situou esta artista de São Paulo como uma das vozes mais singulares da canção alternativa latino-americana e que a levou a percorrer 15 países em quase 250 concertos em três anos, e que, ao mesmo tempo, nos apresentava Labaq como uma artista absolutamente fora de gêneros, tão perto do neo folk como do indie ou das texturas eletrónicas; em “Lux” confirma não só ser uma artista inclassificável e imprescindível, como também prova ser um dos nomes com maior capacidade de expansão da música brasileira contemporânea, encontrando portas amplamente abertas no mercado internacional, que se traduz na publicação do segundo álbum no Brasil (Voa Music), Portugal (Omnichord Records) e Espanha (Raso Estudio).

As onze canções que compõem “Lux” (que tem colaborações de artista como Fármacos, Camila Vaccaro, Bienvenidos a la computadora, Fran Czec e Ian Chang) apresentam-nos a uma Labaq que se revoluciona de modo a revolucionar os que a rodeiam. Mais perto que nunca de cabos e máquinas, Labaq leva a sua noção da canção pop a territórios como a indietronica, a música pop alternativa ou um pop avant garde experimental sem limites, aproximando-se de artistas como Holly Herndon, Arca, Sudan Archives, Nai Palmo Tune-Yards, entre outras referências de uma estética sonora e discursiva que explora os seus próprios limites, para abrir horizontes ao pop brasileiro.

Um reportório que vai desde o Espanhol ao Inglês, passando obviamente pelo seu português materno e que está inevitavelmente inspirado pelos tempos sombrios por que passa o seu país natal. Pós-eleições de 2018, a artista coloca-se na vanguarda do protesto pelo seu continente, como podemos perceber em canções como “Miedo”: “nos quitaron tanto que nos quitaron el miedo”. Em tempos onde as sombras procuram tapar a luz, Labaq inventou uma lanterna que, ao mesmo tempo, ilumina e aponta.



Concertos

DataHoraCidadeLocal
2019-10-2621h00Pratola PelignaGarbage Live Club
2019-11-0121h00TuriJedes Bier
2019-11-0221h00MontemilettoLudovico Van
2019-11-1621h00ScafatiTarumbò

Fala connosco

Releases

Lux (Digital)

Lux (Digital)

01. Lux
02. Fucking Frágil
03. Glow
04. Infinita
05. Vento
06. Zero Likes
07. Drama Girls
08. Miedo
09. Nude
10. Donde Estés Tu
11. Vai

Links

Facebook

Twitter

Youtube